quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Teologia da Beleza: Interseções entre Arte e Mistagogia


TEOLOGIA DA BELEZA: INTERSEÇÕES ENTRE ARTE E MISTAGOGIA


Professor
Marcos Antônio Dias
Mestre em Filosofia da Arte e Semiótica
 Período
De 24 a 28 de outubro de 2016
 Horário
De segunda a sexta-feira, das 9h às 11h40
 Carga horária
15 horas/aula
 Objetivos
Apresentar as manifestações artísticas como linguagens mistagógicas e eventos da Beleza, relacionando-as com o evento estético por excelência: o Mistério de Cristo.
Oferecer aos participantes uma reflexão sobre a Revelação como obra estética, levando-os a confrontar a arte como possibilidade de transfiguração dos objetos comuns da nossa percepção e como instrumento de construção de sentidos. 

Pré-requisitos e público-alvo
Estudantes de Teologia e Filosofia; demais pessoas interessadas, ligadas às artes ou liturgia.

Método de ensino
Aulas expositivas com projeções de imagens e discussões para a apreciação de Obras de Arte.
Análise de espaços sagrados e incursão em outras linguagens artísticas, privilegiando seu caráter estético e mistagógico.

Programa
Mistagogia: a arte de conduzir ao mistério.
A Filosofia da Arte como forma de interpretação do real e suas possibilidades.
As pinturas rupestres: os inícios da plasticidade como encantamento do mundo.
As Pinturas paleocristãs.
A beleza do espaço sagrado como expressão do Mistério.
Teologia do Ícone: A percepção estética como possibilidade de decifrar a figura de Deus.
Dança, procissões rítmicas e a oração do corpo.
A beleza trágica: o mistério da Cruz. (Balthasar e Dostoievski)
A música do Espírito.
Poesia como síntese da interioridade espiritual.

Área do Conhecimento
Ciências Humanas, Linguística, Letras e Artes
 Certificado
Confere certificado mediante 75% de presença nas aulas.
 Investimento
R$ 150,00
 Inscrição
Clique abaixo no botão Faça sua pré-inscriçãoSelecione o curso de seu interesse na seta e após preencher todos os campos clique em Confirmar.
Ao recebermos sua pré-inscrição enviaremos por e-mail o boleto referente ao valor do curso. A inscrição estará confirmada com o pagamento deste valor.
Se o boleto não for recebido por e-mail dentro de 10 dias, favor entrar em contato com a secretaria da Faculdade de São Bento pelo e-mail secretaria@faculdadesaobento.org.br ou pelos telefones (21) 2206-8310 e (21) 2206-8281.

Imagem: Cristo Pantocrátor (séc. VI) – Monastério de Santa Catarina, Monte Sinai.






segunda-feira, 22 de agosto de 2016

La cúpula de la Catedral de Florencia, la más bella del mundo.



CATEDRAL DE FLORENCIA.

La Catedral de Florencia supone una de las visitas más importantes que hacer en la capital de la Toscana. Ya no por la catedral en si, que es una obra soberbia, si no porque la cúpula de la Catedral de Florenciaha sido reconocida en no pocas ocasiones como la cúpula más bella del mundo. Y ya no es que lo digan las listas contemporáneas, si no que cuenta la historia que el mismísimo Miguel Ángel expresó al encontrarse frente a la cúpula de la Catedral de Florencia: “La podré hacer más grande pero no más bella”.

La Catedral de Florencia supone uno de los momentos cumbres del renacimiento italiano, este momento de especial esplendor que tuvo en Florencia su capital, gracias al empuje y mecenazgo de la familia Medici.

La Catedral de Florencia, conocida también como Duomo de Florencia, se comportó como algo así como símbolo de la riqueza de la capital toscana. Ya no solo por su enorme tamaño (una de las mayores de la cristiandad) si no también por la gran cantidad de obras artísticas de primer nivel que atesora.

Conjuntamente con el centro histórico de Florencia, la Catedral de Florencia fue incluida dentro de la lista del patrimonio de la humanidad.

LA CÚPULA DE LA CATEDRAL DE FLORENCIA.

La cúpula de la Catedral de Florencia es quizá su elemento más destacado. Sin embargo no hay que olvidar la belleza del baptisterio de San Juan, en un pequeño edificio aparte (justo enfrente de la Catedral de Florencia), cuyas puertas del paraíso suponen la obra maestra de Lorenzo Ghiberti. También hay que destacar el precioso campanario de la Catedral de Florencia, conocido como Campanille de Giotto. Al igual que el baptisterio, el Campanille de Giotto es una construcción separada del cuerpo de la Catedral de Florencia. Aunque recibe el nombre de Campanille de Giotto, el famoso pintor no fue el encargado de iniciar la obra ni tan siquiera de terminarla. Es más, su proyecto quedó abortado, aunque por siempre más el Campanille recibió su nombre.

La cúpula de la Catedral de Florencia es, sin duda alguna, el elemento más destacado del templo. Su autor fue Filippo Brunelleschi, que ganó el concurso para decidir a quien se encargaría la obra, al propio Ghiberti, autor de las Puertas del Paraíso del baptisterio.

Filippo Brunelleschi se inspiró en el Panteón de Roma para diseñar la cúpula de la Catedral de Florencia. Los trabajos empiezan en 1420 y no se dan por terminados hasta 1436. Se trata de una cúpula octogonal, lo que la hace especialmente original.

Las pinturas de la cúpula de la Catedral de Florencia suponen otro momento importante dentro del renacimiento italiano. Fue el mismísimo Cosme I de Médici quien decidió el tema que sería representado. La cúpula fue pintada con el Juicio Final y el genial Giorgio Vasari fue el encargado de llevar a cabo la obra, a partir de 1568. Se trata de una pintura al fresco de 3600 metros cuadrados.

Con 153 metros de largo, la Catedral de Florencia es una de las de mayor tamaño de todo el mundo. De planta basilical y cruz latina, en el interior de la Catedral de Florencia podemos encontrar otras obras de arte importantes como la estatua ecuestre de Giovanni Acuto, una obra de Paolo Ucello.




SUBIR A LA CÚPULA DE LA CATEDRAL DE FLORENCIA.

Vale la pena subir a la cúpula de la Catedral de Florencia. No solo para poder admirar de cerca el fresco del Juicio Final, si no para poder disfrutar de unas maravillosas vistas áreas de la ciudad de Florencia.

Otra posibilidad es subir a lo alto del Campanillo de Giotto.

CATEDRAL DE FLORENCIA. PRECIO.

El billete único a la Catedral de Florencia comprende la entrada a la catedral, la cúpula, el campanille, la cripta, el baptisterio y el museo de la Catedral. Tiene un coste de 15 euros

Entrada general: 15 euros.

Entrada reducida: 3 euros (niños de 6 a 11 años)

domingo, 21 de agosto de 2016

Oficinas chegam à Bahia

As oficinas de Jose Manuel Bajo Fernandez e Bethania Villalba e colaboração de Germana Trócoli chegam a Bahia em Setembro.

Veja os links anteriores (aqui e aqui)



Inscrições: 
bajoarte@hotmail.com
bethania-villalba@hotmail.com

sábado, 20 de agosto de 2016

Dois milênios após a morte de São Paulo restauradores descobriram sua mais antiga imagem



Arqueólogos no momento que desvendaram a pintura.

Texto de Luis Dufaur

Em 19 de junho de 2009 foi descoberta a mais antiga representação conhecida de São Paulo. Ela se remonta ao fim do século IV.

Segundo informou a agência Zenit, foi localizada enquanto se praticavam escavações na catacumba de Santa Tecla, na via Ostiense, não longe da basílica do Apóstolo, fora das antigas muralhas de Roma.

Os arqueólogos limpavam com raios laser uma abóbada quando descobriram um exuberante afresco.

No centro estava representado o Bom Pastor. Em volta, tinha quatro círculos com as esfinges de São Pedro, São Paulo, e mais dos apóstolos.

Os arqueólogos Fabrizio Bisconti e Barbara Mazzei forneceram todos os detalhes da descoberta. Bisconti, que é secretario da Pontifícia Comissão de Arqueologia Sacra e presidente da Academia Pontifícia do Culto dos Mártires, ponderou que “pode ser considerado o ícone mais antigo do Apóstolo encontrado até agora”.



A imagem mais antiga de São Paulo descoberta em Roma.

O achado, entretanto, suscitou mal-estar entre aqueles ‒ inclusive “católicos de esquerda” ‒ que gostam dizer que a tradição da Igreja Católica baseia-se em mitos inverificáveis.

Na pintura, São Paulo aparece com um ar pensativo, olhar penetrante, a frente alta e barba em ponta.

Aquela face, uma vez indo a Damasco para perseguir os cristãos, viu subitamente Nosso Senhor que lhe apareceu envolvido numa nuvem de luz e o derrubou do cavalo.

‒ “Saulo! Saulo! Por quê me persegues?” (Atos, 9, 4-ss)

Ele então perguntou:

‒ “Quem és, Senhor?”

‒ “Eu sou Jesus a quem tu persegues! Duro te é recalcitrar contra o aguilhão.”



“Quem és, Senhor? O que queres que eu faça?”
São Paulo tremeu. O sopro da graça há tempo vinha chamando o Paulo para se converter, e ele recalcitrava. E Nosso Senhor lhe disse:

‒ “Levanta-te, entra na cidade. E aí te será dito o que deves fazer”. (Atos, 9, 4-ss)

O murro tinha valido. Paulo estava embasbacado e com medo. Levou um tranco que sacudiu sua alma.

Mas, respondeu com o radicalismo dele. Não perdeu tempo. Viu que estava errado, pôs-se logo ao serviço de Deus.

Saulo levantou-se cego! Foi tateando, passo ante passo, pé ante pé, sem saber se ficaria cego a vida inteira.

Ele, o grande Paulo, fariseu, excelente e ilustre, entrou como uma criança cega, conduzido por outro na cidade de Damasco.



Ananias pondo as mãos sobre Paulo lhe devolve a vista.
A cena foi de uma violência peculiar. Pois, Paulo era, ele próprio, muito violento.

Prova disso é que quando Deus, em sonhos, aconselhou Ananias acolhê-lo.

Ananias respondeu, segundo os Atos dos Apóstolos (Atos, 9, 13-ss):

‒ “Senhor, muitos já me falaram deste homem, quantos males fez aos teus fiéis em Jerusalém. E aqui ele tem poder dos príncipes dos sacerdotes para prender a todos aqueles que invocam o teu nome.”

Mas Deus lhe respondeu:

‒ “Vai, porque este homem é para mim um instrumento escolhido, que levará o meu nome diante das nações, dos reis e dos filhos de Israel”.

Ananias então entrou na casa e pondo as mãos sobre ele, disse:

‒ “Saulo, meu irmão, o Senhor, esse Jesus que te apareceu no caminho, enviou-me para que recobres a vista e fiques cheio do Espírito Santo.”



São Paulo, uma vez convertido, confundia os judeus
demonstrando que Jesus é o Cristo anunciado pelos profetas
E acrescentam os Atos dos Apóstolos:

“No mesmo instante caíram dos olhos de Saulo umas como escamas, e recuperou a vista. Levantou-se e foi batizado.

“Depois tomou alimento e sentiu-se fortalecido. Demorou-se por alguns dias com os discípulos que se achavam em Damasco.

“Imediatamente começou a proclamar pelas sinagogas que Jesus é o Filho de Deus.

“Todos os seus ouvintes pasmavam e diziam: Este não é aquele que perseguia em Jerusalém os que invocam o nome de Jesus? Não veio cá só para levá-los presos aos sumos sacerdotes?

“Saulo, porém, sentia crescer o seu poder e confundia os judeus de Damasco, demonstrando que Jesus é o Cristo.” (Atos, 9, 18-ss)

Quem sabe se esta descoberta não traz uma mensagem para nós, para o mundo.

Não precisaríamos de uma “queda” como a de São Paulo, uma chacoalhada providencial, para o mundo, nós mesmos, endereçar nossos caminhos e nos engajar pela causa da Igreja?

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Agência defende restauração completa de obra sacra

Relembre o caso da Capela de Mogi das Cruzes - SP aqui




Parede com obra do JBC recebeu reboco. (Foto: Danilo Sans)

Em carta encaminhada à redação de O Diário, a Agência de Desenvolvimento Social, criada em 2014, em Mogi das Cruzes, defende a completa restauração da Capela de São Sebastião, localizada no Distrito de Taiaçupeba.

Presidida pelo cineasta Pedro Gandola, a entidade comenta os desacertos vividos desde o início dos serviços iniciados pelo padre Alberto Gomes da Silva, para conter uma infiltração. Gandola descreve alguns passos dessa polêmica, que agora está sendo investigada pelo Ministério Público.

Na carta, a entidade alerta para a necessidade de um acompanhamento especializado dos serviços que serão feitos.

“No começo, dizia-se que uma ‘camada de reboco’ encobria as pinturas e o pároco, padre Alberto, explicou que uma pessoa da comunidade iria ‘refazer’ os desenhos, que seriam pintados por cima da camada de reboco e que a imagem de Jesus Cristo, pintada por José Benedicto da Cruz, JBC, poderia ser ‘descartada’. Ele chegou a afirmar ainda: ‘Não faço as coisas de qualquer jeito. O problema é aquele povo que acha que sabe de alguma coisa”. Depois, o responsável pela Comissão de Bens Culturais da Diocese, padre Antônio Carlos Fernandes, disse que a reforma teve aval da Igreja, e que “uma pessoa da comunidade vai refazer a pintura”.

Para a organização, a vistoria feita por integrantes do Comphap (Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural, Artístico e Paisagístico de Mogi das Cruzes) se resumiu “apenas a ver o arco e não se preocupou com o estado de conservação da Igreja como um todo. Não é preciso ser um especialista para notar que não só o forro necessita de cuidados assim como as outras pinturas, como havia constatado e relatado uma arquiteta que vistoriou o local no ano passado, a pedido da Diocese, ocasião em que apresentou um relatório sobre a restauração da capela como um todo”.

Também pontua: “Sobre o possível dano estrutural do arco nada foi mencionado até agora, e muito menos sobre os cuidados com as demais pinturas e com o forro que já começa a se deteriorar. Também não compreendemos o seguinte: como a apresentação do orçamento do restauro será feita ao Conselho, na reunião de 13 de setembro, uma vez que as obras já estarão em andamento?”.

A entidade defende que os serviços sejam feitos sob a supervisão do restaurador e “não por uma pessoa da comunidade”.

Por último, encerra: “Depois deste lamentável fato esperamos por um projeto de restauração da igreja e das pinturas de J.B.C. Também questionamos por que essa igreja não é tombada pelo Condephaat (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico) e pelo Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional). Eduardo Etzel, no livro J.B.C. – Um Singular Artista Sacro Popular descreve: ‘Nessa Igreja de São Sebastião, o caboclo José Benedicto da Cruz, com sua humildade e incultura, deixou-nos uma obra de pintura que é para nós o ponto alto da arte sacra popular neste país.(…)”.
Já da série Caminhos Antigos, dos professores Ângelo Nanni e Antonio Sérgio Damy, a Agência de Desenvolvimento pinça o seguinte: “Apesar da relação de carinho e identificação que recebe da população do bairro, uma construção centenária necessita de cuidados especiais. Neste sentido seria fundamental que os agentes públicos especializados na conservação do patrimônio histórico e artístico como o Iphan e o Condephaat manifestassem pronto e devido interesse em orientar os responsáveis pela conservação do templo na adoção de atitudes de conservação e mesmo de efetuar pequenos restauros e medidas corretivas em locais onde se fazem necessárias, como o restauro da parte do forro central da nave e a adequação das instalações elétricas. (..)

Vaticano vai ter uma imagem de Nossa Senhora da Aparecida



Rádio Vaticana

No próximo dia 3 de setembro será inaugurado nos Jardins do Vaticano um monumento em homenagem a Nossa Senhora Aparecida.

A iniciativa é da Arquidiocese de Aparecida e da Embaixada do Brasil junto à Santa Sé, como explicou à Rádio Vaticano o Embaixador Denis de Souza Pinto.

“No dia 3 de setembro, às 9h30 será a bênção oficial da imagem de Nossa Senhora Aparecida que será inaugurada nos Jardins do Vaticano. Vai ser um momento muito importante porque nós, brasileiros, não tínhamos a imagem de Nossa Senhora Aparecida nos Jardins do Vaticano enquanto outros países têm as suas padroeiras nos Jardins. É uma iniciativa da Embaixada do Brasil junto à Santa Sé e da Arquidiocese de Aparecida e estamos, conjuntamente, realizando este evento”.

A obra

“É uma imagem muito bonita que foi desenhada por um artista brasileiro. É uma barca onde estão a figura de três pescadores e, saindo desta barca, uma rede feita de peixes. Em cima da rede tem a imagem de Nossa Senhora Aparecida. Um pouco, simbolicamente, o que foi a aparição de Nossa Senhora, que foram pescadores que recolheram a imagem do fundo do Rio Paraíba. Uma imagem em bronze: não a vi, vi só uma fotografia do projeto, mas acredito que será muito bonita”.

(RB)(from Vatican Radio)
Fonte: News.va

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Curso Livre de Policromia e Douramento em Arte Sacra




O Ateliê Ana Rocha oferece o Curso livre de policromia e Douramento em Arte Sacra, sendo 40 horas de segunda a sexta das 09:00 às 18:00 horas.

Em regime de atelier, ou seja, é uma pratica. Impermeabilização da peça, pastilho, folheação, florais, flores, esgrafitos e punção em policromia, carnação e envelhecimento com veladura. 

Todo o material incluso (menos material para anotação e avental). 

Valor R$ 2.000,00 sendo 50% na inscrição e 50% no primeiro dia de aula.

Local a definir.

Informações e inscrições: arq.anarocha@gmail.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...