segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Exposição: "Fragmentos do Barroco Brasileiro"




Na terça-feira (17/01) as 18h, acontecerá a vernissage de abertura da exposição Arte Sacra - Fragmentos do Barroco Brasileiro. Venha participar conosco!

Fonte: Museu Municipal de Barueri

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Pequenas esculturas em madeira: pesquisadores usam Raio-X para desvendar seus mistérios

Por Rokas L



Existem apenas 135 peças conhecidas dessas esculturas em miniatura e têm intrigado especialistas em arte em todo o mundo. Recentemente, os pesquisadores reuniram algumas dessas minúsculas peças religiosas de museus e de coleções particulares para aprofundar seus segredos e encontraram algumas respostas muito interessantes.

Pensa-se que estas esculturas de madeira foram feitas durante apenas um breve período de tempo, entre 1500 e 1530, provavelmente na Holanda. A ascensão de uma nova classe social mercante na Europa criou uma demanda no mercado por gravuras religiosas portáteis de alta qualidade. No entanto, logo a Reforma começou e um monte de acessórios relacionados a igreja saiu de moda, incluindo as peças de madeira em miniatura.

Usando micro-scanning em 3D, os pesquisadores descobriram quão intrigantes são esses altares em miniatura. As camadas internas são reunidas, escondendo as emendas completamente, que somente um microscópio ou um raio-X poderia detectá-las. As peças também incorporam pinos, menores do que uma semente de capim. No entanto, grande parte do processo de produção permanece desconhecido, porque traços de ouro e outros materiais de decoração escondem as visões de raios-X.

Os pesquisadores levaram esses esculturas em miniatura de 500 anos de idade para o laboratório para descobrir seus segredos



Eles acham que essas miniaturas foram feitas entre 1500 e 1530 provavelmente na Holanda



O olho humano não é capaz de analisar detalhes dessa pequena



Assim, os pesquisadores usaram micro-CT scanning e Advanced 3D Analysis Software



Para descobrir como as peças realmente são



Eles encontraram emendas nas camadas internas tão pequenas que apenas um microscópio ou um raio-X poderia detectá-los



E pinos, menores do que uma semente de capim



Mas mesmo a tecnologia avançada não podia ver tudo



Porque traços de ouro e outros materiais de decoração escondem as vistas de raios-X



As miniaturas foram o resultado de uma nova classe social em ascensão na Europa que criou uma demanda por essas gravuras religiosas portáteis de alta qualidade



No entanto, logo a Reforma começou e um monte de acessórios relacionados a igreja saiu da moda




Fonte: BOREDPANDA

Dica da Amiga Letícia Maria Bento

sábado, 7 de janeiro de 2017

Restauradores descobrem ferramentas do século 18 em igreja de Congonhas (MG)

Peças foram localizadas durante a remoção do envelopamento de um arco atribuído ao entalhador português Francisco Vieira Servas.


Martelos de madeira do século 18 descobertos na Matriz de Nossa Senhora da Conceição. (Foto: Escritório Técnico de Congonhas/Iphan-MG)

A restauração da Matriz de Nossa Senhora da Conceição, em Congonhas, na Região Central de Minas, levou à descoberta de uma verdadeira “cápsula do tempo” escondida no imóvel. Uma verruma (instrumento de perfuração que lembra a pua) e dois macetes (martelos de madeira) foram localizadas na estrutura do imóvel. De acordo com o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Todos os indícios levam a crer que as ferramentas pertenciam ao ateliê do português Francisco Vieira Servas (1720-1811), um grande entalhador do século 18.

Conforme o instituto, as peças foram encontradas, sem qualquer sinal de violação, durante a remoção do envelopamento do Arco do Cruzeiro, que é atribuído a Servas. Os dois malhos no entablamento estavam ao lado do Evangelho (à esquerda do expectador) e a verruma ao lado da Epístola (à direita do expectador). As ferramentas deram lugar à furadeira elétrica.

Contemporâneo de Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho), Francisco Vieira Servas chegou a ganhar uma concorrência do grande mestre do Barroco para os altares da Igreja do Carmo, de Sabará, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. O artista deixou um legado, constituído por um conjunto de retábulos e esculturas de alta qualidade artística, que se insere de forma significativa no cenário da arte religiosa mineira. A exemplo do Arco do Cruzeiro, o Altar Mor da Matriz de Nossa Senhora da Conceição é atribuído a Servas por especialistas no Barroco Mineiro.

Além da Matriz, a Basílica do Senhor Bom Jesus de Matozinhos também está em processo de restauração pelo PAC Cidades Históricas, e possui obras de Servas, que atuou por muitos anos em diversas igrejas de Minas Gerais.


Verruma, utensílio de ferro que termina numa espécie de espiral, utilizado para abrir furos na madeira. (Foto: Escritório Técnico de Congonhas/Iphan-MG)

As ferramentas encontradas no interior do arco do cruzeiro da Matriz de Nossa Senhora da Conceição são instrumentos fabricados especialmente pelos oficiais de carpintaria e marcenaria. Na caso da verruma – utensílio de ferro que termina numa espécie de espiral, utilizado para abrir furos na madeira -, o oficial responsável pela sua confecção foi um ferreiro.

O Iphan destaca que que não é muito comum se encontrar ferramentas durante os trabalhos de restauração. A suspeita é de que algum oficial esqueceu as ferramentas dentro do arco do cruzeiro após o término dos serviços.

Ainda segundo o instituto, o estudioso do Barroco Mineiro e restaurador Adriano Ramos, foi convidado para avaliar as peças encontradas. Para ele, ao que tudo indica, os objetos encontrados eram da equipe de Francisco Vieira Servas, mesmo não havendo documentação comprobatória sobre a sua presença na obra, (os trabalhos foram contratados junto ao carpinteiro Francisco Machado da Luz em 1764). Contudo, por meio de análises comparativas foi possível detectar a presença de Servas tanto no retábulo-mor quanto no arco do cruzeiro.

Fonte original da notícia: em.com.br
Fonte: Defender

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Adoração dos Magos

Epifânia, onde comemora-se o  dia dedicado à chegada dos três Reis Magos à gruta do Menino Jesus, proponho alguns dos mais famosos culto criado pelos maiores artistas de todos os tempos.

(...)



Adoração dos Magos - Sandro Botticelli

Certamente uma das mais belas adoração dos Reis Magos é Botticelli, construído em torno de 1475. É uma pintura a têmpera sobre madeira atualmente preservado no Uffizi em Florença. Foi encomendado por Gaspare di Zanobi del Lama, um cortesão da família Médici. Ele estava destinado para a capela privada do cliente localizado em Santa Maria Novella.





Adoração dos Magos - Leonardo da Vinci

Esta obra de Leonardo da Vinci foi pintado em óleo sobre madeira e têmpera entre 1481 e 1482 e está localizado no Uffizi. Foi encomendado pelos monges de San Donato um Scopeto e estava previsto para terminar em dois anos. O fato é que no verão de 1482 Leonardo partiu para Milão, deixando o trabalho inacabado e os monges, quinze anos mais tarde,  destinaram a Comissão de Filippino Lippi.





Adoração dos Magos - Filippino Lippi

Este é o trabalho que Filippino Lippi terminou 29 de março de 1496 para os frades de San Domenico em Scopeto. É uma placa pintada a têmpera visíveis na Galeria Uffizi. Durante o cerco de Florença, em 1529, a Igreja que abrigava a obra foi destruída e este trabalho passou a fazer parte das coleções do Cardeal Carlo de Medici. Na sua morte, ele passou diretamente nas coleções grão-ducal ou o núcleo histórico da Uffizi.

O Mantegna, Giotto, Lorenzo Monaco, Perugino e muitos outros têm se confrontado com a representação da Adoração dos Magos. São todas as obras valiosas e conhecidas.



Adoração dos Magos - Gentile da Fabriano

Um esplêndido exemplo do gótico internacional magistralmente interpretado por este artista. É uma pintura em têmpera e ouro sobre madeira que data de volta de 1423, que está agora no Uffizi. O quadro é, em grande parte ainda original e é a conclusão perfeita de uma grande obra. Ele foi contratado por Palla Strozzi, no momento em que a cidade mais rica era Florença. Ele estava destinado a decorar a nova capela em Santa Trinita que Ghiberti estava terminando. Durante pressões napoleônicas, foi transferido para um armazém em 1806 e depois de várias solicitações veio a ser da coleção Uffizi.

Texto traduzido e adaptado do site: Michelangelo Buonarroti è tornato

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

X Congresso Internacional CEIB


Fonte: CEIB

Exposição "Aparecida 300 anos"

A imagem pode conter: 2 pessoas

A Academia Marial do Santuário Nacional vai promover uma exposição de artes dedicadas aos 300 anos do encontro da Imagem de Nossa Senhora Aparecida.

Você que tem uma obra de arte (Regulamento) com ligação ao tema "Aparecida - 300 anos" inscreva-se através desse formulário e envie fotos da obra para a avaliação da banca.

Clique aqui e baixe o Regulamento da Exposição "Aparecida 300 anos".

Entraremos em contato por e-mail com todos os inscritos, informando a aprovação ou não da peça.

Fonte: A12
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...